Amigos das Palavras

Por decisão do autor deste blogue os textos do próprio não seguem o acordo ortográfico de 1990.



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

41ª Meia Maratona de São João das Lampas.

Tudo começou em 1977, numa experiência de "longa distância", nunca dantes vista nas terras saloias: uma prova de atletismo, na distância de 21 km, medida no conta-quilómetros do "mini" do Zé e que, veio a saber-se 15 anos depois, afinal só tinha 20 Km!. Curiosamente, serviu de base de trabalho para o primeiro curso de medidores oficiais promovido pela FPA e, claro, aproveitou-se a oportunidade para acertar a distância.
Estamos agora em 2017 ! O calendário não nos deixa mentir. Passaram mesmo 40 anos ! 40 anos em que no mês de Setembro, S. João das Lampas foi sendo palco de uma competição modesta mas que, com paciência, foi ganhando credibilidade e carinho por parte dos atletas, dos patrocinadores e da população de S. João das Lampas.
No próximo dia 9 de Setembro, às 17 horas, irá para a estrada a 41ª Edição da Meia Maratona de S. João das Lampas, a 2ª prova mais antiga na distância do calendário nacional.
Não sabemos se iremos ter muitos atletas. Mas os que optarem por estar connosco poderão contar com a nossa vontade de sempre em fazer uma prova que, à imagem das anteriores edições, seja do agrado geral.
Porém, pela 1ª vez na sua longa história, a organização irá estar privada de um dos seus elementos-chave, o António Tomé que, poucos dias após a realização do último Trilho das Lampas nos deixou subitamente. Por sabermos bem o quanto ele foi dedicado a este projecto de que tanto se orgulhava, iremos, em sua honra, reforçar o nosso empenho para que tudo saia bem, como ele gostaria que acontecesse. Para ti, Amigo Tomé, esta 41ª Edição da MMSJL é tua.
Fonte: site da prova  

E está escrita mais uma página da que é a 2ª meia-maratona mais antiga do país, também uma das mais duras das provas de estrada que por cá se realizam…
Deste 2017 ficará para essa história mais uma bela edição da meia maratona que durante anos foi temida por muitos e apelidada de meia das rampas…
Ficará também decerto para essa história ter sido a edição em que o mestre Fernando Andrade também voltou a correr a "sua" meia, um dos obreiros desde a primeira hora desta prova, o seu director e o rosto mais visível de uma grande equipa que ano após ano construíram a história desta grande meia.
Este ano completaram a prova 440 atletas com bastantes pessoas ao longo do percurso, algo habitual nesta prova.
Estive lá completando a prova pela 11ª vez em 10 anos de participações (1997-2017). Para a equipa de voluntários um grande obrigado, para o mestre aquele abraço.



quarta-feira, 30 de agosto de 2017


O evento 10ª Corrida dos Moinhos de Penacova, prova integrada no Circuito Nacional de Montanha 2017, que decorreu durante o passado domingo, dia 27 de agosto, foi composto por 2 provas competitivas, um Trail com 21km (D+ 990 m) e um Mini-Trail com 12,6 km (D+ 670 m), bem como uma caminhada com 10 km não competitiva.
As 2 provas competitivas tiveram as linhas de partida na margem direita do rio Mondego e as linhas de chegada no areal da Praia fluvial do Reconquinho, na margem esquerda do Rio Mondego, após a passagem da ponte pedonal.
A organização esteve a cargo da Câmara Municipal de Penacova, teve a colaboração da Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada e Terras de Aventura.
Resumidamente os percursos tiveram uma acentuada subida inicial, em direção à zona histórica de Penacova, e posterior descida à Quinta da Ribeira, pela escadaria de acesso a esse local, seguindo-se alternância de subidas e descidas percorrendo trilhos pedestres, veredas, caminhos e estradas municipais que levaram os participantes a passar pela Ribeira da Presa, Ponte da Galiana, fornos de cal de Casal de Santo Amaro, núcleo de moinhos de vento de Gavinhos, Espinheira, núcleo de moinhos da Portela (ponto mais elevado do percurso - 476 metros), moinho do Aviador, Ponte e Quinta da Ribeira, ponto a partir do qual os atletas efetuaram o percurso inicial, em sentido contrário até à meta.

Em fase final do nosso período de férias resolvi aliar a um fim de semana na zona de Coimbra uma participação no evento, em concreto na prova de 21 km, fiz toda a prova em ritmo bastante confortável e desfrutei bastante da beleza do percurso. Gostei da prova que foi muito bem organizada, do percurso durinho e da marcação 5 estrelas.


Tarde de sábado (Soutelo) - eu, Vivi, Isabel, a minha irmã Ana e o meu cunhado Manuel

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Ultra Trilhos Rocha da Pena 2017.



 O evento Ultra Trilhos Rocha da Pena 2017 que decorreu durante o dia 13 de agosto foi composto por 3 provas: Ultra Trilhos com 48km e D+ 2260 m, Trail longo com 24 km e D+ 1200 m e Trail curto/caminhada com 16 Km e D+ 850 m.
A organização esteve a cargo da ATR - Associação Algarve Trail Running, teve a colaboração da ACS - Associação Cultural de Salir e da Secção de Mototurismo da ACS e contou com o apoio da Câmara Municipal de Loulé, Junta de Freguesia de Salir e União de Freguesias Querença/Tôr/Benafim.
Todas as provas tiveram as linhas de partida e de chegada no complexo desportivo de Salir.

A marcar o nosso inicio de férias por terras do "Algarve" decidi participar no evento tendo optado por participar na prova de distância intermédia, a de 24 km.
Os primeiros 20 quilómetros da prova correram dentro do esperado, sempre em ritmo confortável e a desfrutar da prova, inesquecível correr lado a lado com as cabras que a dada altura seguiram junto com os atletas, depois comecei a sentir bastante o efeito do calor e os últimos quilómetros não foram fáceis sendo que após a "subida da morte" e após alguns minutos de recuperação à sombra lá segui para o último quilómetro e meio que faltava até à meta...
Após cortar a linha de chegada resto de dia passado na piscina do compexo de Salir, excelente inicio de férias por terras do "Algarve" e muita vontade de repetir para o ano.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

3º Caldas Ultra Trail.

Organizado pela "Associação Cultural e Recreativa do Nadadouro", em parceria com a Junta de Freguesia do Nadadouro e o movimento social, "Não Fazemos Nem Mais Um..Km", decorreu durante o passado domingo o evento "3º Caldas Ultra Trail", o qual teve várias distâncias: 50 quilómetros (ultra trail), 25 quilómetros (trail longo) e 15 quilómetros (mini-trail e caminhada).
Todas as provas tiveram a partida e meta junto às instalações da Associação Cultural e Recreativa do Nadadouro. 
O evento decorreu maioritariamente em trilhos, caminhos e estradas de terra das freguesias de Nadadouro, Foz do Arelho, Santo Onofre e Serra do Bouro e, Tornada e Salir do Porto, todas do concelho das Caldas da Rainha.

Estive lá, marquei presença na prova de 25 km, gostei do percurso, durinho q.b. mas ainda assim com muitos quilómetros corriveis, gostei em particular da parte do percurso junto ao mar, também gostei do percurso muitíssimo bem marcado, dos bons abastecimentos, da simpatia e disponibilidade dos voluntários e dos cuidados por parte da organização com a segurança.

Este evento ficou também marcado pelos troféus que foram distribuídos aos que subiram ao pódio, o popularmente denominado "Um das Caldas", o tradicional símbolo fálico da riquíssima cerâmica da cidade das Caldas da Rainha, sendo que também eu fui brindado com um deles. 


Pódio M55 da prova de trail (25 km)


Depois da prova na zona da Foz do Arelho. 

segunda-feira, 26 de junho de 2017

UMA vez mais de Melides a Tróia.

Organizada pela câmara municipal de Grândola disputou-se no passado domingo mais uma edição da Ultra Maratona Atlântica, prova com uma extensão de 43 km percorridos em areia, com início na Praia de Melides e final na Praia do Bico das Lulas em Tróia.
Estive lá regressando a uma prova de que guardo muitas boas recordações resultantes das minhas 4 participações entre os anos de 2009 a 2012.
Ontem não foi diferente e da minha quinta UMA ficaram igualmente boas recordações…
Ainda antes da partida o minuto de silêncio em memória da Analice.
Durante a prova muitos quilómetros corridos apenas com a companhia do mar, das dunas, do azul do céu, … cortar a linha de chegada… 
Após a prova, resto de dia passado na praia em excelente companhia e o sermos brindados com uma visita inesperada, golfinhos…
Ao entardecer voltar a cruzar o Sado para o regresso a casa.
Termino com palavras escritas aqui quando na minha primeira participação em 2009:
Voltarei um dia a partir de Melides com destino a Tróia.





quarta-feira, 10 de maio de 2017

Ultra Maratona Atlântica Melides - Tróia 2017.



REGULAMENTO ULTRA MARATONA 2017 (43 KM)

ORGANIZAÇÃO 
A ULTRA MARATONA ATLÂNTICA MELIDES – TRÓIA é uma organização da Câmara Municipal de Grândola e vai decorrer no dia 25 Junho 2017, nas praias do Concelho de Grândola.
A prova destina-se a todos os indivíduos de qualquer nacionalidade, com 18 anos de idade ou mais, que cumpram as exigências do presente Regulamento.
Decorrerá num percurso com uma extensão de 43 km, todos eles percorridos em areia, com início na Praia de Melides (N38 07.756 W8 47.610) e final na Praia do Bico das Lulas, em Tróia (N38 29.141 W8 54.409).
A Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia, será disputada individualmente e por Equipas em representação de Instituições, pontuando para efeitos de classificação da Equipa, os 3 melhores atletas que concluam a Prova antes das 17h00.

PROGRAMA HORÁRIO 
Secretariado para levantamento de dorsal e abastecimento – Praia de Melides, entre as 7h00 e as 8h00.
Entrega de volumes – Praia de Melides, entre as 7h30 e as 8h30.
Concentração dos Atletas – Praia de Melides, às 8h30.
Início da Prova – Praia de Melides, às 9h00.
Previsão de início de chegada de Atletas a Tróia, às 11h45.
Entrega de Prémios às 15h00, seguido do Lanche Convívio (no local da meta).
Fecho da Prova – 17h00.

ABASTECIMENTO
A Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia, é uma Corrida de Aventura toda ela percorrida na areia da Praia.
A Organização coloca à disposição dos atletas, no momento do levantamento do dorsal, um abastecimento composto por 1 peça de fruta, 1 gel e 1 barra energética.
Para além deste abastecimento fornecido pela Organização, o atleta pode levar outro abastecimento sólido ou líquido, se assim o entender.
Todo o abastecimento será transportado pelo atleta desde a zona de partida e é da sua inteira responsabilidade, não sendo permitido ao atleta receber qualquer outro abastecimento ao longo do percurso, com exceção de 1L de água entregue pela Organização a cada atleta, ao km 14,5 na Praia do Pinheiro da Cruz e ao km 28,5 na Praia da Comporta.
Na chegada à meta, os atletas têm acesso a líquidos e a fruta.

CONTROLO
Será efetuado registo de passagem manual ou eletrónico, nas Praias, ao longo do percurso.
Com o objetivo de assegurar a verdade desportiva, o percurso terá ainda vários postos de controlo que poderão não ser identificáveis pelos concorrentes, pelo que os dorsais devem estar sempre visíveis ao longo de toda a Prova.
A Prova encerra às 17h00, hora em que serão recolhidos todos os concorrentes ainda no percurso.
No entanto, os atletas que às 17h00 tenham já passado o controlo da Praia de Soltróia (37,5 km), poderão concluir a prova.
Todos os atletas que terminem a Prova depois das 17h00 não terão acesso a Prémios Classificativos.
Será desclassificado o atleta que:
For visto por qualquer elemento da Organização, a receber abastecimento sólido ou líquido, ou qualquer outro tipo de materiais ou géneros.
Sair da zona considerada “domínio público marítimo” (Praia), não podendo em caso algum subir a duna de separação ou duna primária.
Não cumpra o presente Regulamento.
Não complete a totalidade do percurso.
Não leve o dorsal bem visível.
Ignore as indicações transmitidas pela Organização.
Demonstre uma conduta anti – desportiva.
Demonstre uma conduta poluidora, ao deixar ao longo do percurso fora dos locais de recolha de lixo, invólucros ou outros resíduos provenientes de géis, barras e outros abastecimentos que transporte consigo.
Seja acompanhado por pessoas que não estejam em competição, em qualquer momento, no percurso da Prova.

RESPEITO PELO AMBIENTE 
Todos os atletas deverão adotar uma conduta de respeito pela natureza, pela paisagem e pelo ambiente, transportando consigo até ao ponto de recolha de lixo mais próximo, todos os resíduos considerados lixo resultantes da sua participação na competição. A importância desta responsabilidade ambiental é agravada se considerarmos que se torna impossível à organização da Ultra Maratona recolher todo o lixo abandonado pelos atletas, em resultado da mudança da maré ao longo do dia.

SEGURANÇA 
Os atletas devem apresentar uma adequada condição física, face à elevada distância da Prova, à elevada exposição solar e às características do piso.
A Organização prevê a chegada dos primeiros atletas à Meta, após cerca de 2h45m de Prova.
Os atletas são responsáveis pelos danos materiais, morais ou de saúde, causados a si mesmos ou a terceiros.
Cada participante deverá transportar consigo o abastecimento sólido e líquido que considere necessário, atendendo à impossibilidade de receber abastecimento ao longo do percurso (exceto 1L de água disponibilizado pela Organização ao km 14,5 e ao km 28,5).
Os atletas não devem, em caso algum, abandonar pelos seus próprios meios a zona de Prova.
Os atletas que por qualquer motivo tenham necessidade de desistir, deverão aguardar pelas viaturas de apoio que se mantêm no percurso entre o último e o primeiro atleta em prova, ou dirigir-se para o posto de controlo da praia mais próxima caso consigam deslocar-se autonomamente, onde poderão solicitar transporte para a zona de Meta. A desistência tem obrigatoriamente de ser comunicada ao colaborador do Posto de Controlo da Praia ou ao condutor da viatura de apoio.
Todos os Atletas estão cobertos por um Seguro de Acidentes Pessoais, de acordo com a Lei em vigor.
Estará presente uma equipa médica ao longo de todo o percurso e na chegada a Tróia.
Os serviços médicos estão autorizados a retirar da competição qualquer atleta que manifeste sinais de incapacidade física ou psicológica para continuar a corrida, ou necessidade de receber assistência médica vital.
Estão disponíveis ambulâncias em diversas zonas de fácil acesso à praia, estando assegurado o transporte dos atletas por técnicos especializados, desde a zona da corrida até às ambulâncias.
A Organização recomenda a utilização de roupa e calçado adequado, óculos de sol, chapéu e protetor solar.

INSCRIÇÕES 
As inscrições estão disponíveis até ao final do dia 18 Junho 2017.
Ao inscrever-se, o atleta assume a aceitação do presente Regulamento e terá de proceder ao pagamento da inscrição dentro dos prazos definidos.
A inscrição é individual e só é válida após efetuado o pagamento.
Custo da Inscrição:
Até 31 Março: 20 €
De 1 Abril até 31 Maio: 30 €
De 1 até 18 Junho: 40 €
Em caso de cancelamento da inscrição do atleta até à data limite de 31 Maio, por motivo de doença ou lesão, comprovado com documentação clinica, não haverá qualquer reembolso, mas permitirá a transição da inscrição do atleta para a edição seguinte da Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia.
Não serão aceites quaisquer pedidos de alteração aos dados fornecidos no formulário de inscrição, após o dia 18 Junho, data em que termina o período de inscrições para a Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia 2017.

ESCALÕES 
A ULTRA MARATONA ATLÂNTICA MELIDES – TRÓIA, terá os seguintes Escalões Etários, sendo considerada a idade dos atletas no dia da Prova:
Sénior Feminino 18 – 39 anos
Veterano I Feminino 40 – 49 anos
Veterano II Feminino 50 anos e mais
Sénior Masculino 18 – 34 anos
Veterano I Masculino 35 – 39 anos
Veterano II Masculino 40 – 44 anos
Veterano III Masculino 45 – 49 anos
Veterano IV Masculino 50 – 54 anos
Veterano V Masculino 55 – 59 anos
Veterano VI Masculino 60 anos e mais

PRÉMIOS DE CLASSIFICAÇÃO 
Prémio monetário e troféu, para os 3 primeiros atletas masculinos e femininos da geral:
1º – 500 €
2º – 250 €
3º – 125 €
Prémio no valor de 100€ para o vencedor masculino e feminino, caso seja superado o Recorde da Prova (recorde masculino 2.46:30 / recorde feminino 3.30:46).
Inscrição grátis na edição seguinte da Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia, para o 1º classificado da geral masculina e da geral feminina.
Troféu para os 3 primeiros classificados masculinos e femininos de cada Escalão.
Troféu para as 3 primeiras equipas.

PRÉMIOS DE PARTICIPAÇÃO 
Camisola Técnica alusiva à Prova.
Outras lembranças a definir.

TRANSPORTES 
Existirá um Catamaran para os atletas da Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia, no dia 25 Junho, com saída do Cais do Catamaran, em Setúbal, às 5h45. Os atletas que solicitem este transporte na ficha de inscrição terão um bilhete de ida e volta, no valor de 5,50€, o qual será acrescido ao valor da inscrição.
Será disponibilizado transporte de Tróia para Melides, com saída de Tróia às 6h15, no dia 25 Junho, aos atletas que o solicitem na ficha de inscrição, no valor de 3€, acrescido ao valor da inscrição.

DIVERSOS 
Os atletas deverão estar munidos de documento de identificação no dia da prova, para apresentação no secretariado.
O levantamento do Dorsal é feito individualmente, mediante apresentação de comprovativo de pagamento da Inscrição na Prova.
A Organização não se responsabiliza pelo eventual desaparecimento de materiais, deixados pelos atletas ao longo do percurso.
No dia 25 Junho prevê-se baixa-mar às 10h02 com 0,50m no Porto de Sines, e baixa-mar às 10h30 com 0,44m no Porto de Setúbal.
Os casos omissos deste Regulamento serão da inteira responsabilidade da Organização.

CONTACTOS / INSCRIÇÕES / INFORMAÇÕES


Ver aqui Regulamento Corrida Atlântica (15km)

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Outra vez...Mérida.

"Tarde de sábado, dia 22 de Abril de 2017"
(Foto de Isabel Almeida)

Sexta-feira, 21 de Abril de 2017.
Outra vez…Mérida, outra vez as "LXVII Millas Romanas", o equivalente a aproximadamente 100 quilómetros, prova com início às nove horas da noite e tempo limite de 24 horas.
Na tarde de sexta-feira, de carro e a caminho do pavilhão para levantar o dorsal passámos pelo João Faustino que à pergunta se queria boleia respondeu "outra vez", entendemos então que ele já tinha levantado o dorsal e que se referia a voltar outra vez ao pavilhão…
Pouco depois, já no pavilhão, vimos o João chegar e então é que percebemos que o "outra vez" que ele nos tinha respondido se referia a estarmos de novo em Mérida depois de há um ano eu ter aqui escrito que provavelmente terminara em 2016 um ciclo.
Mas voltei e passei outra vez uma noite inteira na companhia do meu homónimo António Almeida, "outra vez" o grande prazer de partir, desfrutar e finalizar, ainda que ao fim de muitas horas, este ano um pouco mais que 17, para ser exacto 17 horas, 12 minutos e 13 segundos já que este ano pela primeira vez existiu chip, "outra vez" um português em primeiro, "outra vez" o João Faustino (em 2012 quando da minha primeira participação o João terminou igualmente em primeiro), grande João …
Mérida, em 2018 muito provavelmente…voltarei "outra vez".

Nota histórica:
A Lusitânia (em latim: Lusitania) é considerada a origem ancestral de Portugal e foi o nome atribuído na Antiguidade ao território oeste da península Ibérica onde viviam os povos lusitanos desde o Neolítico. Após a conquista romana passou a designar uma província romana da Hispânia (actuais territórios de Portugal e de Espanha), incluía aproximadamente todo o actual território português a sul do rio Douro, mais a Estremadura espanhola e parte da província de Salamanca, tendo como capital a cidade de Emérita Augusta, hoje Mérida.
O conjunto arqueológico de Mérida está classificado pela UNESCO desde 1993 como Património da Humanidade.